orthopedic pain management

Conhecendo o Sistema Solar: Júpiter

Astronomia & Astrofísica — By on dezembro 19, 2010 at 15:53

Júpiter é o quinto planeta mais próximo do Sol e é o maior no Sistema Solar. Se Júpiter fosse oco, caberiam mais de mil Terras no seu interior. Contém também mais matéria do que todos os outros planetas juntos. Tem uma massa de 1,9e27 kg e um diâmetro de 142.800 quilômetros (88.736 milhas) no equador.

As Luas de Júpiter

Há cerca de quatro séculos, mais precisamente em 1610, Galileu Galilei virou o seu telescópio, feito em casa, para os céus e descobriu três pontos luminosos, que primeiro pensou serem estrelas, ligados ao planeta Júpiter. Estas estrelas estavam alinhadas com Júpiter. Despertando o seu interesse, Galileu observou as estrelas e descobriu que elas se moviam na direção errada. Quatro dias mais tarde apareceu outra estrela. Depois de observar as estrelas durante as semanas seguintes, Galileu concluiu que não eram estrelas mas corpos planetários em órbita à volta de Júpiter. Estas quatro estrelas passaram a ser conhecidas por Satélites Galileanos.

Durante os séculos seguintes foram descobertas outras 12 luas, obtendo-se um total de 16. Finalmente, em 1979, o mistério destes novos mundos congelados foi resolvido pelas sondas Voyager quando ultrapassaram o sistema de Júpiter. Ainda em 1996, a exploração destes mundos sofreu um grande avanço quando as naves Galileu iniciaram a sua longa missão de observação de Júpiter e das suas luas.

Doze das luas de Júpiter são relativamente pequenas e parecem mais ter sido capturadas do que formadas em órbita à volta de Júpiter. As quatro maiores luas galileanas, Io, Europa, Ganímedes e Calisto, parecem ter sido formadas por agregação como parte do processo de formação do próprio Júpiter. A tabela disponível para download ao final deste artigo sumariza o raio, massa, distância ao centro do planeta, descobridor e data da descoberta de cada uma das luas de Júpiter.

Júpiter tem um sistema de anéis, que é muito tênue e totalmente invisível da Terra. Os anéis foram descobertos em 1979 pela Voyager 1. A atmosfera é muito profunda, talvez compreendendo todo o planeta, e tem algumas semelhanças com a do Sol. É composta principalmente de hidrogênio e hélio, com pequenas porções de metano, amônia, vapor de água e outros componentes. A grande profundidade dentro de Júpiter, a pressão é tão elevada que os átomos de hidrogênio estão quebrados e os elétrons estão livres, de tal modo que os átomos resultantes consistem de simples prótons. Isto produz um estado em que o hidrogênio se torna metálico.

Os Anéis de Júpiter

Nome

Distância*

Largura

Espessura

Massa

Albedo

Halo

92.000 km

30.500 km

20.000 km

?

0,05

Principal

122.500 km

6.440 km

< 30 km

1 x 10^13 kg

0,05

Gossamer Interior

128.940 km

52.060 km

?

?

0,05

Gossamer Exterior

181.000 km

40.000 km

?

?

0,05

*A distância é medida do centro do planeta até ao início do anel.

Faixas coloridas latitudinais, nuvens atmosféricas e tempestades ilustram o dinâmico sistema meteorológico de Júpiter. O padrão das nuvens mudam de hora para hora, ou de dia para dia. A Grande Mancha Vermelha é uma tempestade complexa que se move numa direção anti-horária. Na borda, a matéria parece rodar em quatro a seis dias; perto do centro, o movimento é menor e numa direção quase aleatória. Podem-se descobrir cadeias de outras tempestades mais pequenas e redemoinhos pelas diversas faixas de nuvens.

Foram observadas emissões aurorais, semelhantes às auroras boreais da Terra, nas regiões polares de Júpiter. As emissões aurorais parecem estar relacionadas a matéria de Io que cai na atmosfera de Júpiter, movendo-se em espiral segundo as linhas do campo magnético. Também foram observados relâmpagos luminosos acima das nuvens, semelhantes aos super-relâmpagos na alta atmosfera da Terra.

Ao contrário dos intrincados e complexos padrões de anéis de Saturno, Júpiter tem um simples sistema de anéis que é composto por um Halo interior, um anel principal e um anel Gossamer. Para a sonda Voyager, o anel Gossamer é visto como um único anel, mas o sistema de imagens da Galileo deu-nos a descoberta inesperada que Gossamer é na realidade dois anéis. Um anel está inserido no outro. Os anéis são muito tênues e são compostos por partículas de poeira formada de meteoróides interplanetários esmagados nas quatro luas interiores de Júpiter, Métis, Adrástea, Tebe e Amalteia. Muitas das partículas são de dimensões microscópicas.

O Halo do anel interior é de forma toróide e estende-se radialmente por cerca de 92.000 quilômetros (57.000 milhas) até cerca de 122.500 quilômetros (76.000 milhas) do centro de Júpiter. É formado por partículas finas de poeira dos limites interiores do anel principal espalhada para fora enquanto caía em direção ao planeta. O anel principal e mais brilhante estende-se desde os limites do Halo até cerca de 128.940 quilômetros (80.000 milhas) ou seja, mesmo junto ao limite interior da órbita de Adrástea. Perto da órbita de Métis, o brilho do anel principal diminui.

Os dois anéis fracos Gossamer são semelhantes na natureza. O anel interior Gossamer de Amalteia estende-se desde a órbita de Adrástea até à órbita de Amalteia a 181.000 quilômetros (112.000 milhas) do centro de Júpiter. O anel Gossamer de Tebe, mais fraco, estende-se desde a órbita de Amalteia até aproximadamente à órbita de Tebe a 221.000 quilômetros (136.000 milhas).

Os anéis e luas de Júpiter estão dentro de uma cintura de radiação intensa de elétrons e íons capturados no campo magnético do planeta. Estas partículas e campos compõem a magnetosfera joviana ou ambiente magnético, que se estendem até 3 a 7 milhões de quilômetros (1,9 a 4,3 milhões de milhas) em direção ao Sol, e se estica em forma de manga de vento até à órbita de Saturno – uma distância de 750 milhões de quilômetros (466 milhões de milhas).

Propriedades de Júpiter:

  • Massa (kg): 1,900e+27
  • Massa (Terra = 1): 3,1794e+02
  • Raio equatorial (km): 71.492
  • Raio equatorial (Terra = 1): 1,1209e+01
  • Densidade média (gm/cm^3): 1,33
  • Distância média ao Sol (km): 778.330.000
  • Distância média ao Sol (Terra = 1): 5,2028
  • Período de rotação (dias): 0,41354
  • Período orbital (dias): 4332,71
  • Velocidade orbital média (km/seg): 13,07
  • Excentricidade orbital: 0,0483
  • Inclinação do eixo (graus): 3,13
  • Inclinação orbital (graus): 1,308
  • Gravidade à superfície no equador (m/seg^2): 22,88
  • Velocidade de escape no equador (km/seg): 59,56
  • Albedo geométrico visual: 0,52
  • Magnitude (Vo): -2,70
  • Temperatura média das nuvens: -121°C
  • Pressão atmosférica (bars): 0.7

Composição atmosférica:

  • Hidrogênio: 90%
  • Hélio: 10%

Clique aqui para fazer o download da tabela com informações sobre as luas de Júpiter, em formato PDF (56 Kb).

Obs.: É necessário ter instalado o Acrobat Reader em seu computador para abrir o arquivo. Você pode fazer o download da versão mais recente do Acrobat Reader clicando no link abaixo:

Tags: , ,

2 Comments

  1. isadora de castro disse:

    Adorei me ajudou muito no meu conhecimentos com Júpiter e com o meu trabalho de ciências da escola, gracas a vocês agradeço por me fazerem em uma astrônoma pois decidi que faculdade vou fazer: ASTRONOMIA!

    [Responder]

  2. juliano disse:

    como eu faço para observar ele com um telescopio de 150 mm refletor?

    [Responder]

Leave a Comment