Bem vindos ao mundo fantástico da robótica

Si Belle, La Science — Por em novembro 20, 2011 as 9:52

Apesar do temor que ainda existe, de que os robôs estão tomando o lugar das pessoas, gerando desemprego em várias áreas, não podemos deixar de admitir a importância dessas máquinas para a exploração espacial.
Um robô é um dispositivo mecânico que, de acordo com o seu processamento, pode obter informações de onde estiver, através de sensores, e com base nessas informações pode tomar decisões de acordo com os dados coletados e também manipular os objetos que estão ao seu redor, através de seus atuadores.

Colocar esse simples robozinho em funcionamento não é trabalho para “simples” engenheiros. São necessários profissionais com profundo conhecimento de física, matemática e até mesmo de economia.
E os robôs, além de tudo, não ficam doentes, não exigem salários e também podem trabalhar em locais onde há risco de contaminação, de saúde, de vida e de difícil acesso.

No caso da NASA, o risco de mandar um ser humano para Marte e o custo de tal missão justificam a utilização de robôs. Foi assim que a NASA resolveu enviar dois robozinhos a Marte, Spirit e Opportunity. Ambos desceram em lados opostos do Planeta Vermelho. Opportunity caiu num lugar “super legal”, enquanto Spirit não.
Spirit teve que escalar uma montanha do tamanho da Estátua da Liberdade, passar por alguns problemas para conseguir detectar vestígios de água numa cratera que pode ter sido, um dia, um grande lago.
Mas, depois de problemas de memória, pedras na roda, um frio noturno de -140°C e acúmulo de poeira nas suas lentes, a sua roda trava. Mesmo assim, ele consegue enviar dados e confirma antiga presença de água.
Depois de sua brava jornada, nosso simpático robozinho atola em um banco de areia e não responde mais às tentativas de contato. E mais: os cientistas engenheiros não conseguem arrumar seus painéis solares para que Spirit receba energia do Sol, e então desistem do robô.

Opportunity está agora sozinho em Marte, mas não por muito tempo. No final de novembro a NASA enviará um jipe robô maior. Sua principal tarefa será detectar qualquer vestígio de vida passada em Marte e também saber se há condições do homem habitá-lo um dia. Curiosity pesa 899 quilos e sua viagem está prevista para 25 de novembro às 13h21 (horário de Brasília). A viagem vai durar oito meses e meio e ele percorrerá uma distância de 570 milhões de quilômetros (longe, não é?). Vamos aguardar para que tudo dê certo para Curiosity.

Animação feita pela NASA mostra como será a viagem do jipe robô Curiosity até Marte. 
Créditos:  JPL (Jet Propulsion Laboratory), NASA

Tags: , , , , , ,

2 Comentários

  1. Muito bacana isto, tbm so viciado em tecnologia!
    Más,venhamos e convenhamos…que benefícios nós teremos com isto? Já fomos a lua, temos uma plataforma acima de nós, tá bom…ou não? Tudo que estamos procuramos lá em cima temos em abundância aqui em baixo! Eu acho que os governantes deste mundo deveriam tirar suas cabeças do espaço e voltarem as atenções para as pessoas do continente Africano, que estão morrendo de tanta exploração capitalista!

    [Responder]

  2. Cibele disse:

    Caro Ailton, desculpe não ter respondido antes, mas essa semanas foram meio corridas pra mim. Acho válido o seu questionamento mas, essas explorações trazem benefícios e avanços nas telecomunicações, medicina, navegação, monitoramento ambiental, meteorologia, ciências e tecnologia não são as viagens espaciais que trazem a fome ao nosso planeta. Do ponto de vista tecnologico, estas viagens trazem enormes beneficios a humanidade, apesar da grande maioria nao saber disso.

    Além do mais, temos outros pontos a atacar, como as drogas e as guerras que envolvem enormes somas em dinheiro e, que se fosse revertido para o combate a fome e a miséria, com certeza acabaríamos com elas. Temos que nos preocupar em fazer ser humanos mais honestos e justos, a cultura e a educação fazem parte desse desafio, por isso contamos com jovens, como vc, para nos ajudar a divulgar tudo isso e assim termos pessoas que irão se preocupar mais em construir do que em destruir, pessoas honestas e, consequentemente, um planeta melhor, não acha?

    [Responder]

Deixe seu Comentário