orthopedic pain management

As profecias de Nostradamus

Si Belle, La Science — By on janeiro 19, 2012 at 18:57

Ainda não consigo entender as profecias, pois até hoje, 99% foram “furadas”. Então onde está a previsão, a “profetização”? Vou falar neste artigo de um dos “maiores” profetas de todos os tempo (pelo menos é o que a mídia divulga). Mas Nostradamus foi realmente um profeta? Que espécie de profeta só prevê coisas ruins? Não vai acontecer nada de bom no nosso mundo?

 Vamos entender isso:

Michel de Notre-Dame nasceu em 14 de dezembro de 1503 na cidade de Saint Remy de Province, no sul da França.  Formado em medicina, aprendeu letras e ciências, inclusive as ocultas, como a astrologia. Politicamente se destacou como conselheiro dos reis da França, Henrique II, Francisco II e Carlos IX, além de ser o homem de confiança da rainha Catarina de Médicis.

Vamos considerar também que, naquela época, a alquimia, astrologia, física, matemática, astronomia e química eram uma coisa só. Eram consideradas práticas científicas extremamente vigiadas pela Igreja católica, com isso vário trabalhos eram publicados em uma linguagem figurada e por códigos.

Nostradamus escreveu suas profecias em frances, mas usou também o latim, o grego e o italiano para que algumas coisas ficassem meio obscurecidas, incluindo símbolos, metáforas e palavras com erros ortográficos. E muitas dessas profecias originais foram adaptadas para os acontecimentos de hoje.

Após os ataques de 11 de setembro, Nostradamus se tornou popular. As pessoas adoraram a idéia de profecia. Na realidade gostamos daquilo que não sabemos, gostamos do mistério. Tentar descobrir algo que não conhecemos é fascinante, como o nosso futuro por exemplo. E é assim que existem tanto profetas, adivinhos, cartomantes, quiromantes e etc., pois se utilizam da curiosidade do ser humano.

As pseudociências estão tomando conta da credulidade das pessoas. A falta de cultura e de informação faz com que fiquem cada vez vulneráveis. A falta de cultura e de informação faz com que fiquem mais vulneráveis. E não me refiro só a ciência, me refiro a todas as áreas, inclusive a política. Vamos começar um novo ano questionando o que “querem” que a gente acredite. Questionem sempre!

Tags: , , ,

3 Comments

  1. Genaldo Vargas disse:

    Desde o início da humanidade, o homem precisou de símbolos e entidades sobrenaturais para dar conta do sentido de finitude. Desde que nasce, inicia a briga com a morte e o que nos espera do outro lado. Para tolerar o desconhecido há que se apehar ao desconhecido. Para segurar a angústia primordial o homem até inventou um deus para chamá-lo de filho.

    [Responder]

  2. Cibele disse:

    Imagine agora que temos que dar sentido ao infinito kkkkkk
    Obrigada pelo seu comentário e divulgue o nosso site para conseguirmos esclarecer cada vez mais sobre a importância do conhecimento e a busca dele.
    Obrigada

    [Responder]

  3. Lucyano Leal disse:

    “Após os ataques de 11 de setembro, Nostradamus se tornou popular” …

    Amigão, Nostradamus é popular desde o século XVI …

    [Responder]

Leave a Comment