Conhecendo as Estações do Ano

O Universo ao seu alcance — Por em outubro 8, 2011 as 14:25

Mitos e erros

Desde pequeno, temos o conhecimento do frio e do calor. Sabemos reconhecer, ou melhor, sentir quando o dia esta quente ou frio, ou seja temperatura alta ou baixa. Percebemos também, que em certas épocas do ano, chove mais do que em outras. Conseguimos perceber muito bem esta diferença em nosso clima, no dia a dia.
As Estações do Ano tiveram origem exatamente nessa percepção da variação em nosso clima (chuvas, estiagem, inflorescência, temperatura alta e baixa) de região para região.
Aprendemos na escola que existem as chamadas estações do ano e que ocorrem devido o movimento de Translação da Terra em torno do Sol e também devido à inclinação do eixo de rotação de nosso planeta.

Um grande mito, que ainda existe atualmente, leva algumas pessoas a pensarem que o calor (aliás, usar a palavra calor é errado, pois calor é energia – deveríamos usar o termo temperatura alta) ocorre quando estamos mais próximos do Sol. E que, quando estamos mais distantes do Sol, ocorre o Inverno, ou seja, o frio. A distância da Terra em relação o Sol realmente varia enquanto ocorre a Translação (pois, a órbita da Terra é uma Elipse e não um círculo perfeito), mas essa variação de distancia não é significativa para determinar a variação de temperatura em nosso planeta a ponto de provocar as estações do ano.

O que mais contribui para esta variação é a inclinação do eixo de rotação da Terra em relação a uma perpendicular ao plano de sua órbita (a órbita da Terra é chamada de Eclíptica), que é de 23 graus e 27 minutos. Se fosse a distancia e não a inclinação do eixo de Rotação que influenciassem as estações do ano em nosso planeta, teríamos de ter a mesma estação em ambos os hemisférios terrestres (norte e sul) ao mesmo tempo. Mas, sabemos que quando é verão para nós aqui do hemisfério sul, temos o inverno no hemisfério norte. Isto ocorre devido os 23 graus e 27 minutos de inclinação de nosso eixo. Em certo momento temos o hemisfério norte mais voltado para o Sol e em outro momento temos o sul mais voltado para o Sol, provocando esta variação de temperatura que acaba ocasionando as estações do ano.

Veja no desenho abaixo esses dois momentos:

(Obs.: Os desenhos não estão em escala de tamanho)

Percebemos claramente pelo desenho que nesses dois momentos da órbita terrestre em torno do Sol, que em um deles (item A) o hemisfério norte (acima da linha do Equador) está mais voltado para nossa estrela e em outro (item B) é o hemisfério Sul. Temos então que, as estações do ano são sempre inversas de um hemisfério para o outro. Quando é verão no norte será inverno no sul. Quando é primavera no sul, será outono no norte e assim por diante.

Equinócios e Solstícios

As estações de verão e inverno se iniciam quando o Sol passa pelos chamados solstícios. Essa palavra quer dizer Sol estacionário. Existem dois solstícios: o de verão e o de inverno. Nossos antepassados definiram esta data pelo dia em que o Sol estaria mais afastado (declinado) do ponto cardeal Leste exato. Após a data do Solstício, o Sol volta a caminhar para o Leste. Para nós do hemisfério sul, quando o Sol se encontra no solstício de verão, significa que ele esta em seu maior afastamento angular do ponto Leste em direção ao Sul. Este afastamento é de 23 graus e 27 minutos (na verdade quando analisamos o afastamento do Sol no poente ou nascente esse valor acontece apenas para quem se encontra na Linha do Equador; quanto mais afastado do Equador maior é esse ângulo), sendo definido pela própria inclinação do eixo de rotação de nosso planeta. Neste dia significa dizer também que o hemisfério norte estará ocorrendo o inverno, pois o Sol se encontra declinado mais ao sul, portanto mais baixo no horizonte e não próximo a nossa cabeça ao meio dia, provocando uma menor intensidade de calor. Como a Terra demora 1 ano para completar uma volta em torno do Sol , seis meses depois , as estações de verão e inverno se invertem nos hemisférios. Os dias em que ocorre esse máximo afastamento do Sol em relação ao ponto Leste exato são: 21 de Junho (Inverno no Sul e Verão no Norte) e 21 de Dezembro (Verão no Sul e Inverno no Norte). Essas datas podem variar de acordo com nosso calendário devido ao ano bissexto e pelo horário de verão. Essa variação em média, pode ser de 1 dia.

As estações intermediárias, da primavera e do outono, são marcadas pela entrada do Sol nos Equinócios. A palavra Equinócio, quer dizer igualdade entre o dia e a noite. Será somente nos Equinócios que teremos um dia de 12 horas e uma noite de 12 horas (não chega a ser exata, pois depende do local em que o observador se está localizado), e também somente nos Equinócios é que o Sol nasce exatamente no ponto cardeal Leste. Isto ocorre duas vezes ao ano, no Equinócio da primavera em 23 de Setembro e no Equinócio do Outono em 23 de Março, sendo essas estações para hemisfério Sul, pois 23 de Setembro para o Norte marcará a entrada do Outono e 23 de Março a da primavera.
Essas datas também podem variar a exemplo dos solstícios.

Vejamos o desenho abaixo:

Um pequeno erro.

Existe um erro bem simples nisso tudo. Vejamos:

Quando dizemos, por exemplo, que no dia 21 de Junho começa o Inverno para nós aqui do hemisfério sul, cometemos um erro. Na verdade, no dia 21 de junho é o momento em que o Sol se encontra mais declinado ao norte para nós, então esta data deveria marcar exatamente o ápice do inverno e não sua entrada. O mesmo ocorre no verão, dia 21 de Dezembro significa o meio do verão para o sul e não o seu inicio! Pois a partir desta data o Sol começa novamente a caminhar de volta para o ponto Leste, dia a dia, até chegar o próximo Equinócio. E assim sucessivamente durante todos os anos.

Podemos afirmar que cada estação começaria na verdade, em média, 45 dias antes da data que usamos atualmente e que as datas oficiais da entrada em cada estação significam na verdade seu meio, seu ápice! Por que não se muda isso? Porque usamos isso desde nossa antiguidade como uma convenção que se perdura até hoje. Aliás, muitas convenções se perduram até hoje! Mas temos de lembrar que, astronomicamente falando, existe este erro e pode ser corrigido. Mas…

As linhas dos trópicos e a precessão da Terra

Seguindo esta idéia de atualização nas estações do ano, posso dizer que os nomes das linhas dos trópicos também deveriam ser atualizados devido o movimento de precessão da Terra. Junto ao movimento de precessão, atua o de nutação, causado pela força gravitacional da Lua.
Hoje, deveríamos chamar o Trópico de Câncer de Trópico de Gêmeos e o de Capricórnio de Trópico de Sagitário, pois é onde o Sol se encontra hoje nas datas dos ápices dessas estações.

A precessão é um dos 15 movimentos conhecidos de nosso planeta e tem uma duração de aproximadamente 26.000 anos para completar uma volta. Este movimento nada mais é do que um movimento que nosso eixo de rotação executa fazendo um bamboleado como um pião quando gira.

Isto faz com que as constelações se desloquem na esfera celeste, alterando ano após ano, a localização entre as constelações zodiacais (cortadas pela linha da Eclíptica) da posição do Sol durante a translação da Terra. Em qualquer programa de planetário (gratuitos na Internet, como o Stellarium) onde se mostra à posição do Sol na esfera celeste, se pode comprovar isto.

Nota: Este movimento também altera os signos das pessoas. Então, para quem acredita em Astrologia, isto é um grande incômodo! Por isso, ao fazer um Mapa Astral, você está sendo enganado!

Outro ponto interessante sobre as estações do ano para nós aqui no Brasil é fazer uma pergunta bem simples: em qual estação do ano estamos agora?

A resposta a princípio é óbvia! Mas, se analisarmos com calma, chegaremos a uma resposta no mínimo curiosa.
Sabemos que é a Linha do Equador que divide a Terra em 2 hemisférios (norte e sul) e que nosso país é cortado por esta linha no extremo norte. Então, olhando o mapa do Brasil, a resposta à pergunta acima, passa a ter 2 opções e irá depender da cidade que você se encontra, pois se estiver abaixo da Linha do Equador, você se encontra no hemisfério sul e estará numa determinada estação do ano, mas para quem está acima da Linha do Equador, a estação será inversa. Sabemos que na prática, para as cidades próximas da linha do equador, se diz que existem apenas duas estações: a estação da chuva e a da seca.

Finalmente, o que eu quero, através deste texto, é mostrar uma forma didática de se ensinar as estações do ano nas escolas.

Quem sabe um dia nós teremos a data astronômica correta (referente às estações do ano) em nossos calendários, assim como a atualização dos nomes das linhas dos trópicos e poderemos ver então, nossos professores ensinando corretamente esse tema nas escolas e universidades. Afinal, todos os calendários são baseados em eventos astronômicos (efemérides).

Tags: , , , , ,

6 Comentários

  1. Ian amaral disse:

    Muito bom o texto.
    Quem o escreveu é realmente um bom escritor e colunista.
    E é uma pena que as escolas ainda ensinem errado.
    Isto deve ser atualizado o mais rápido possível.
    Não quero ver meus filhos e netos aprendendo coisas erradas na escola.
    Mas mesmo assim gostei bastante deste texto.

    [Responder]

  2. obrigado pelas palavras… realmente as escolas deveriam repensar as metodologias atuais, enquanto isso vamos fazendo nossa parte…!!!

    [Responder]

  3. Marcos Eugênio da Costa disse:

    Seria mesmo interessante colocar astronomia nas escolas, e possa assim um dia mudar o caledário. um grande abraço.

    [Responder]

    emerson perez Resposta:

    grande marquinho!!!!
    q surpresa…como estas? e as coisas ai em prudente amigo?como andam? mnande noticias. meu email contato@planetariosedna.com abraços…

    [Responder]

    Marcos Eugênio da Costa Resposta:

    Estou bem Emerson, mandei um email das novidades aqui

    [Responder]

  4. Afonso Guedes disse:

    Beleza de trabalho! O nome disso é ciência. Aprendendo corretamente na escola, a criança aprende cientificamente a pensar sempre. E assim sendo , em tudo o mais, usará a própria cabeça para , no mínimo, questionar. E verá que fora da ciência só há superstições.
    Grande abraço.

    [Responder]

Deixe seu Comentário