orthopedic pain management

Mortes provocadas por raios dobram no Estado

Clima, Saiu na Imprensa — By on abril 26, 2010 at 21:55

Diogo Rocha
Sexta-feira – 29/02/2008 – 03h01

Araçatuba – De dezembro do ano passado até o dia 25 deste mês, 13 pessoas em todo o Estado de São Paulo morreram após serem atingidas por raios. O número divulgado pela Defesa Civil de São Paulo é bem superior ao registrado no ano de 2007, quando seis pessoas morreram, ou seja, quase o dobro de vítimas. Desses 13 casos, quatro foram na região de Araçatuba (duas no município e outras duas em Valparaíso). Os outros acidentes ocorreram em Itanhaém, Bertioga, Campinas, Cristais Paulista, Monte Aprazível, São Carlos, Guariba e Cruzeiro.

Para o pesquisador do Inape (Instituto de Pesquisas Espaciais) de Araçatuba, Jorge Nery, o calor é o principal motivo para o crescimento de ocorrências envolvendo raios. “Ele (calor) contribui para acelerar e potencializar os demais mecanismos que formam o raio”, disse Nery citando a água, o vento e a pressão eletromagnética como sendo os outros agentes que compõem parte da estrutura de um raio.

Levantamento do Inpe (Instituto de Pesquisas Espaciais) de São José dos Campos mostra que em todo o Brasil foram 26 mortes causadas por raios somente nos dois primeiros meses de 2008, contra 18, nos três primeiro meses do ano passado. Segundo o Elat (Grupo de Eletricidade Atmosférica), o Estado onde houve maior aumento na queda de raios foi o Rio de Janeiro, seguido por São Paulo e Minas Gerais. O coordenador do Elat, órgão ligado ao Inpe, Osmar Pinto Júnior, que acompanha a incidência de raios, explicou que a partir de março vai ser desenvolvido também um mapeamento dos municípios que registraram grandes quantidades de raios.

Ainda segundo acompanhamento feito anualmente pelo Inape de Araçatuba, a incidência de raios na região cresceu quase 38% em comparação com o mesmo período do ano passado. Em todo o Estado, o aumento chegou a 51%.

MAIS PERIGOSOS – Nery alertou que, com a elevação da temperatura, os raios estão cada vez mais fortes. “Não temos mais controle sobre isso”, alertou o pesquisador. Com essa mudança climática, a recomendação da Defesa Civil em dias de chuva forte e com raios é permanecer em local coberto (veja quadro com outras orientações). Todas as pessoas que foram atingidas por raios este ano, tanto nos casos da região quanto nas demais localidades, estavam em local aberto, sem proteção.

Os dois estudiosos apontaram o reflorestamento como uma possível saída para amenizar a incidência de raios no País. “Com mais árvores diminuímos as temperaturas”, comentou Nery.

De acordo coordenador do Elat, a quantidade de raios que caiu sobre Araçatuba, aproximadamente 500, está dentro da média registrada em anos anteriores. Com relação às mortes de Araçatuba e Valparaíso, Osmar as classificou como uma fatalidade.

No entanto, na opinião dele, o fenômeno La Niña (esfriamento anormal das águas do Oceano Pacífico) é o maior colaborador para o aumento do número de raios no País. “Por enquanto ainda não é possível afirmar que o aquecimento global esteja provocando um número maior de raios. Sabemos que isso irá acontecer, mas calculamos para daqui a dez anos”, pontuou.

Fonte Original: Jornal Folha da Região

Tags: , , , ,

0 Comments

You can be the first one to leave a comment.

Leave a Comment